BUILDING BRANDS, CREATING NEWS

Leia a entrevista de Luciano Deos para o Wave Festival 2014

05.Fevereiro

Como fazer um festival de publicidade com conteúdo diferente? Não ser apenas entrega de troféus? 
O modelo Cannes é o que de fato une as duas pontas: que leva conteúdo para os presentes e que premia as melhores peças do mercado. Alguns eventos como D&AD, são focados em premiação e outros, como o SxSw, são basicamente conteúdo e networking. Cannes Lions saiu na frente em priorizar a qualificação de conteúdo e os outros festivais agora têm que correr atrás. A gente tem uma dificuldade hoje de como trabalhar o conteúdo. Com a explosão do acesso à informação, ela virou um negócio muito acessível. Mas não existe reflexão. Qual foi a última vez que você viu alguma reflexão inteligente sobre os temas que está vinculado atualmente? É muito difícil. Gosto do slogan “vida inteligente na madrugada”, do Serginho Groismann. (risos) 

Qual a saída?
Estamos todos com problemas de tempo, relevância e de compreensão. Está todo mundo preocupado com a velocidade da notícia, mas falta aprofundamento. Para ganhar relevância, precisa se posicionar como festival de conteúdo, que é o que nós não temos. O prêmio é consequência, desde que o julgamento seja extremamente rigoroso. No mercado nacional, atual, toda semana tem alguém ganhando um prêmio. Tem uns que algumas agências que nem precisam se inscrever para ganhar (risos). Tem que ser fundamentalmente transdisciplinar, discutir a comunicação sobre outras perspectivas. O Wave tem tentado fazer isso. Pode conseguir ter a cara da indústria, com base no que já é discutido no M&M, para ser a base da indústria da comunicação no Brasil.

O Wave Festival in Rio é uma boa oportunidade para as agências de países como Peru, Colômbia e Venezuela aparecerem um pouco mais no mercado latino?
Eles vêm com alguns jurados. Isso faz com que a troca seja bacana. Fui jurado por dois anos em Cannes, e uma outra vez presidente do júri do festival. Aqui, no Rio, podemos ver algumas peças bacanas que não chegam até lá. É uma boa oportunidade.